Search
  • Informação de bandeja sobre a NBA
  • por Rodrigo Enge
Search Menu

G League, a liga de desenvolvimento das franquias da NBA

G League, a liga de desenvolvimento da NBA

G League, a liga de desenvolvimento da NBA

Desde 2001, a NBA mantém uma liga paralela destinada ao desenvolvimento de jogadores. Seu principal objetivo, portanto, é funcionar como uma fornecedora material humano para abastecer as franquias, ao lado do basquete universitário e das ligas de países estrangeiros.

Mas, além disso, os times da G League desempenham outros papeis bastante importantes. Quase todas as franquias mantém o seu representante da G League, permitindo que, entre outras coisas, cada uma delas:

  • Avalie de perto os jogadores, acompanhando o cotidiano de cada um deles, suas deficiências, qualidades, profissionalismo etc. Assim é capaz de reunir informações muito mais precisas sobre cada jogador, ao contrário do que ocorre com os atletas recrutados do basquete universitário e do exterior.
  • Molde, na medida do possível, as características dos jogadores para atender as necessidades do time principal.
  • Reproduza a cultura esportiva, valores e práticas utilizadas na franquia visando facilitar a adaptação dos jogadores à NBA.
  • Capacite treinadores e outros profissionais que integram a comissão técnica de uma franquia.




Manter um liga secundária também permite a formação de árbitros e a realização de pequenos testes para avaliar a modificação de regras num ambiente similar ao da NBA.

Todos os times da G League e as franquias que representam

Franquia da NBARepresentante na G League
Atlanta HawksErie BayHawks
Boston CelticsMaine Red Claws
Brooklyn NetsLong Island Nets
Charlotte HornetsGreensboro Swarm
Chicago BullsWindy City Bulls
Cleveland CavaliersCanton Charge
Dallas MavericksTexas Legends
Denver Nuggets--
Detroit PistonsGrand Rapids Drive
Golden State WarriorsSanta Cruz Warriors
Houston RocketsRio Grande Valley Vipers
Indiana PacersFort Wayne Mad Ants
Los Angeles ClippersAgua Caliente Clippers of Ontario
Los Angeles LakersSouth Bay Lakers
Memphis GrizzliesMemphis Hustle
Miami HeatSioux Falls Skyforce
Milwaukee BucksWisconsin Herd
Minnesota TimberwolvesIowa Wolves
New Orleans Pelicans--
New York KnicksWestchester Knicks
Oklahoma City ThunderOklahoma City Blue
Orlando MagicLakeland Magic
Philadelphis 76ersDelaware 87ers
Phoenix SunsNorthern Arizona Suns
Portland Trail Blazers--
Sacramento KingsStockton Kings
San Antonio SpursAustin Spurs
Toronto RaptorsRaptors 505
Utah JazzSalt Lake City Stars
Washington Wizards--
Todos os times da G League e as franquias da NBA que representam (Imagem: reprodução/ facebook.com/nbagleague)

Todos os times da G League e as franquias da NBA que representam (Imagem: reprodução / facebook.com/nbagleague) • Clique para ampliar

História da G League

CBA, a precursora

A criação da G League tem relação direta com a falência da Continental Basketball Association (CBA), uma liga fundada antes do que a NBA, mas que nunca alcançou o mesmo prestígio.

A CBA funcionou informalmente durante décadas como um celeiro de jogadores para a NBA. Alguns dos mais famosos que passaram pela liga foram Jo Jo White, John Starks, World B. Free, Anthony Mason, Rick Carlisle e Mario Elie. E pelo menos três técnicos que fizeram carreiras invejáveis na NBA também trabalharam na CBA: Phil Jackson, George Karl e Flip Saunders.

No final da década de 1990, CBA e NBA mantinham uma sólida parceria. Havia flexibilidade de parte a parte para que jogadores pudessem transitar entre entre as duas ligas, regras contratuais que se mostravam valiosas aplicadas pela CBA eram reproduzidas na NBA e árbitros passavam por períodos de treinamento na CBA antes de começarem a atuar na NBA.

Mas tudo mudou a partir de 1999, quando um grupo de investidores liderado por Isiah Thomas, ídolo do Detroit Pistons, adquiriu a CBA. Uma série de problemas começou a afetar a saúde financeira da liga, que não foi administrada com competência para solucioná-los.

A NBA chegou a oferecer US$ 11 milhões para adquirir a CBA, US$ 1 milhão a mais do que Thomas havia pago, mas o ex-jogador recusou a oferta. Em fevereiro de 2001 a CBA estava oficialmente falida.

Criação da NBDL

Sem poder contar mais com sua parceira, a NBA seguiu o caminho mais lógico e natural: criou uma liga para desempenhar o mesmo papel que a CBA exercia. A liga foi batizada inicialmente de National Basketball Development League (NBDL) e era constituída por somente oito equipes, que não tinham vínculo direto com franquias da NBA.

D-League

Em 2005 a liga foi rebatizada como NBA Development League (D-League) para criar maior identidade com as franquias e gerar mais interesse tanto da imprensa, quanto do público.

A liga recebeu várias outras equipes, principalmente a partir de 2006, e um sistema de parceria com franquias começou a ser colocado em prática. Em 2009 o Houston Rockets se tornou o primeiro time a estabelecer uma parceria exclusiva com um time da D-League, o Rio Grande Valley Vipers.

A partir daí, várias outras franquias seguiram o mesmo caminho, até chegarmos no estágio atual, em que toda franquia da NBA é proprietária de um time que a representa na liga de desenvolvimento ou está em vias de criá-lo.

G League

Em 2017 a NBA formalizou a negociação dos naming rights de sua liga de desenvolvimento com a Gatorade, conhecida pela produção e comercialização de bebidas isotônicas amplamente utilizadas no meio esportivo.

Por conta disso, a liga teve o seu nome modificado novamente, passando a se chamar NBA G League, ou simplesmente G League.

Two-way contract

No acordo coletivo de trabalho firmado entre a NBA e a associação de jogadores que entrou em vigor em 2017 foi incluído um novo tipo de contrato de trabalho que tornará a G League ainda maias relevante e útil.

Cada franquia passou a ter a possibilidade de contar com mais dois jogadores em seu elenco, além dos 15 habituais, submetidos ao que foi chamado de two-way contract. Esses atletas poderão defender tanto a franquia que os contratou na temporada regular da NBA, quanto sua respectiva equipe na G League.

Com este tipo de contrato em vigor, a franquia não corre o risco de que um jogador que esteja se sobressaindo em seu time na liga de desenvolvimento seja contratado por uma franquia rival.