Search
  • Informação de bandeja sobre a NBA
  • por Rodrigo Enge
Search Menu

Draft 2018: calouros e histórias para acompanhar com atenção

Deandre Ayton, Luka Doncic e Marvin Bagley III prometem ser alguns dos destaques do Draft 2018 da NBA

Deandre Ayton, Luka Doncic e Marvin Bagley III prometem ser alguns dos destaques do Draft 2018 da NBA

por Vinícius Lima

Os fãs da maior liga de basquete do mundo certamente marcaram o dia 20/06 com um círculo vermelho em seus calendários: é noite de draft na NBA.

É o dia em que veremos nossa franquia do coração escolher jogadores promissores e/ou jogadores sobre os quais, após o anúncio de sua escolha no draft, não teremos mais notícia.

Embora alguns poucos fãs ainda não apreciem ou não achem tão importante assim o draft, é inegável a relevância do draft para a formação de uma equipe campeã.

Draft: o caminho para o título

Tomemos como exemplo o atual campeão da NBA. O ponto de partida para montagem do atual elenco do Golden State Warriors foi o draft de 2009, ano em que a franquia selecionou, na 7ª escolha do draft, sua estrela, o armador Stephen Curry.

Embora tenha cometido alguns erros no draft de 2010, deixando escapar nada menos do que Gordon Hayward e Paul George, ao selecionar o pivô Ekpe Udoh (6ª escolha), que futuramente seria utilizado na troca que trouxe Andrew Bogut ao elenco, o Warriors acertou em cheio no draft de 2011, draftando mais um jogador vital para o elenco que viria a dominar a liga, o Splash Brother Klay Thompson.

Em 2012, a franquia da Califórnia finalizou o bom trabalho selecionando naquele ano: Harrison Barnes (7º pick), Festus Ezeli (30º pick), Draymond Green (35º pick).

E o resultado veio logo na temporada 2012/13, com o retorno da franquia aos playoffs após cinco temporadas longe da pós-temporada.

E após uma derrota no primeiro round de 2014, seguida da demissão de Mark Jackson, a direção do Warriors trouxe Steve Kerr, o Warriors deu um salto de rendimento e conquistou o título da NBA logo na temporada 2014/2015, batendo LeBron James nas finais.

Resumindo, a qualidade das escolhas feitas pelos dirigentes da franquia foi vital para a formação do elenco campeão na temporada 14/15, que tinha nas suas escolhas no draft seus três principais pontuadores (Curry, Thompson e Green), bastando adicionar alguns jogadores para a rotação e um bom free agent, como foi o caso com Andre Iguodala, MVP das Finais naquele ano.

Então, se você quer saber porque sua franquia está na situação em que está, seja boa ou ruim, o histórico de escolhas no draft pode ser um bom começo. Se você é torcedor do Sacramento Kings ou do New York Knicks, você deve ter uma ideia sobre o assunto.

Possível Top 3 em 2018

A classe de 2018 parece ter um bom nível e alguns jogadores fora do top 5, podem surpreender, já que a classe conta com os jogadores que geram muita controvérsia por algum aspecto de seu jogo, como é o caso de Trae Young e Michael Potter Jr. Ambos têm potencial para serem futuramente os melhores da classe, mas também podem se tornar grandes decepções.

Posso estar completamente errado, mas creio que veremos muitas trocas na noite de amanhã, então é difícil prever a escolha de cada equipe, mas vamos tentar fazer uma simulação do que as franquias farão na noite de amanhã:

Obs.: o critério para a seleção é o do maior talento disponível e o do jogador que tem menos chance de ser um jogador improdutivo na liga. Me parece um bom critério.

⇒ Confira a ordem do Draft 2018.

 #1 – PHOENIX SUNS

DeAndre Ayton – Pivô – Calouro da Universidade do Arizona

Jogadores com características semelhantes: David Robinson, Patrick Ewing e Anthony Towns

A primeira escolha do draft de 2018, muito provavelmente será o pivô da Universidade do Arizona, DeAndre Ayton. Embora tenha surgido rumores de uma possível troca envolvendo Kawhi Leonard.

Com respeitáveis 2,16m de altura e 113 kg, o pivô parece uma máquina feita para jogar basquete. Com um jogo no post muito refinado, que lembra os grandes pivôs dos anos 90, Ayton também é um ótimo reboteiro.

Embora marque a maioria dos seus pontos embaixo da cesta, local em que finaliza bem com a mão esquerda e direita, uma das características que mais chamam atenção em Ayton é sua capacidade abrir para o chute em situações de pick and pop. Além disso, o Ayton é um bom passador para a posição, tendo facilidade para encontrar companheiros livres no perímetro.

A grande crítica que se faz a Ayton é seu empenho na defesa. Em sua temporada no College, Ayton deixou bastante a desejar na defesa, o que parece ser fruto do pouco empenho para contestar arremessos e defender o aro. Contudo, Ayton parece ter as características defensivas esperadas de um pivô no atual cenário da liga, em especial, a capacidade de marcar atletas menores nas trocas.

Não se nega que Ayton tem potencial para ser um espetacular pivô na liga e, não obstante pareça que a diretoria do Suns já não tem dúvida quanto a sua escolha no draft, a dúvida é de qual lado você ficará na história?

Eu draftaria Luka Doncic na primeira escolha do Draft 2018. Escolha seu lado na história.

#2 – SACRAMENTO KINGS

Luka Doncic – Armador – jogador do Real Madri/ESP

Jogadores com características semelhantes: James Harden, Manu Ginobili

O maior mistério desse draft é, acredite se quiser, a escolha do Sacramento Kings. Aí, me parece, existe o maior potencial de uma troca dentro do top 5 desse draft.

Há boatos de que a franquia estaria disposta a trocar para baixo no draft para selecionar Michael Porter Jr. e conseguir outra pick.

O Kings tem realizado um esforço tremendo para mostrar que a franquia vive uma noa fase. E a sensação é que a franquia está relutante em draftar Luka Doncic, o único jogador no draft que teria um impacto positivo imediato no recorde da franquia. Isto porque, segundo rumores, o armador não tem muito interesse em defender a franquia da Califórnia.

Além disso, o Kings não tem nenhuma escolha no draft do ano que vem, o que torna uma alternativa bastante plausível a troca por um conjunto de picks mais baixas e um jogador veterano que possa ajudar o time na próxima temporada, já que o tank não será uma alternativa.

Mas vamos supor que o Kings não é o Kings e que Vlade Divac fará a coisa certa no Draft 2018. Neste caso, a escolha a ser feita, sem dúvida, é o armador eslovênio, Luka Doncic.

Embora seja difícil prever como o jogo dele se traduzirá na NBA, deve se considerar que Doncic tem feito chover em sua seleção e jogando em seu clube na segunda maior liga de basquete do mundo, tendo conduzido seu time ao título nessa temporada e ganhado o prêmio de MVP do campeonato.

A habilidade na construção das jogadas e a inteligência do esloveno estão muito acima da média para um jogador de apenas 19 anos.

Muito habilidoso em jogadas de pick & roll, sempre punindo o defensor que tenta defender indo por baixo do bloqueio, Doncic também é bom reboteiro para a posição.

Outro ponto positivo do armador é o conjunto de características um tanto quanto intangíveis formado por confiança, maturidade e a maneira destemida com que joga. Mesmo atuando contra jogadores muito mais experientes na sua seleção e em seu clube, Doncic nunca deixa de arremessar nos momentos decisivos da partida.

A crítica ao jogo do esloveno é a falta de atleticismo e a inconsistência nos arremessos do perímetro.

Mas não acho que tais críticas devam deixar os fãs do Kings com o pé atrás, já que o armador é absurdamente jovem, tem apenas 19 anos e terá muito tempo para ganhar músculos e criar um jogo mais constante de arremessos e movimentos de ataque.

#3 – ATLANTA HAWKS

Marvin Bagley III – Ala-pivô – Universidade de Duke

Jogadores com características semelhantes: Ben Simmons e e Amar’e Stoudemire

O pivô/ala-pivô de 2,11m, 106kg, jogou para o técnico Mike Krzyzewski (‘Coach K’) na última temporada do college e se elegeu para o draft empenhado em ser a primeira escolha da classe de 2018. É um jogador difícil de analisar.

É extremamente explosivo no ataque e chama atenção por sua capacidade de correr em altíssima velocidade em transição, pegar rebotes ofensivos e habilidade para pontuar.

A maior crítica feita à Bagley, assim como para Ayton, é seu impacto na defesa, já que o atleta ainda não demonstrou suficientemente que pode defender o aro e se tornar um bom marcador.

Outra característica não muito apreciada pelos analistas dessa classe é o fato de Bagley monopolizar a bola em determinados momentos, deixando com que os 20 pontos e 10 rebotes que pode marcar facilmente toda noite não se traduzam necessariamente na vitória de seu time. O receio é que Bagley se torne um jogador de boas estatísticas em um time com recorde negativo de vitórias. Mas talvez o talento do grandalhão mude isso. Veremos.

Histórias para acompanhar no Draft 2018

Nesse draft algumas histórias bastante interessantes merecem um olhar especial.

1. Quem vai draftar o machucado Michael Porter Jr.?

O ala da Universidade do Missouri não jogou na temporada passada submetendo-se à cirurgia na coluna e praticamente não jogou. Além disso, não participou de quase nenhum treinamento com as equipes, devido a uma lesão no quadril.

Contudo, olhando pelo lado bom, caso se tenha certeza que as lesões são superáveis, Porter tem potencial para ser um bom pontuador na liga.

2. O que o Sacramento Kings fará?

Algo me diz que o Kings irá surpreender no draft, seja draftando Doncic (o que seria uma surpresa) ou trocando sua escolha na noite do draft por escolhas mais baixas e um ou mais jogadores que auxiliem a franquia já nessa temporada, considerando que o Kings não tem escolhas no draft do ano que vem (a escolha será exercida pelo Boston Celtics).

3. Quem vai apostar em Trae Young?

Embora tenha feito uma temporada espetacular no College e tenha o potencial de ser um All-Star na liga, Young pode potencialmente ser um jogador cujo excelente aproveitamento nos arremessos não se traduz na NBA e que causa dano à equipe na defesa.

4. O que o Cleveland Cavaliers fará?

Estamos às vésperas de mais uma free agent de LeBron James e o Cavaliers tem que escolher agora o que fazer com a 8ª escolha no draft desse ano. Trocar a escolha e fazer um pacote para trazer um jogador de peso que agrade o astro? Draftar pensando no futuro apocalítico pós-Lebron?

De toda forma, o draft de amanhã será um daqueles para ser lembrado, então façam suas apostas. A ESPN vai transmitir o Draft 2018 ao vivo nesta quinta-feira, a partir das 20 horas.

Summary
Draft 2018: calouros e histórias para acompanhar com atenção
Article Name
Draft 2018: calouros e histórias para acompanhar com atenção
Description
Alguns calouros que devem estar entre as primeiras escolhas do Draft 2018 e as circunstâncias que podem impactar as decisões de franquias como Kings e Cavs.
Author
Publisher Name
Layup • Informação de bandeja sobre a NBA
Publisher Logo

Matérias relacionadas

Podcast: Novela Kawhi, Teodosic, Mikan, Joe Smith ... Podcast do Layup • Episódio 89 Q1. É tentador dizer que a "novela Kawhi Leonard" sofreu uma reviravolta, mas a verdade é que há mais de seis meses ninguém além do próprio jogador sabe exatamente o...
Podcast, episódio 11: EuroBasket, LeBron James e K... Podcast do Layup • Episódio 11 Neste episódio do podcast do Layup: A vitória da Eslovênia de Goran Dragic e Luka Doncic no EuroBasket 2017 O destino ideal para LeBron James em 2018, consid...
Pivôs dominam primeiras posições do Draft 2018 e M... Algumas das primeiras escolhas no Draft 2018 (Imagem: Mike Lawrie/Getty Images) Apesar de somente seis pivôs de ofício terem sido selecionados na primeira rodada do Draft 2018, quatro deles já hav...
Podcast: Draft 2018, a troca de Hayes e o início d... Podcast do Layup • Episódio 90 Q1. O que aconteceu no Top 3 do Draft 2018 da NBA, que teve como destaque a seleção de Deandre Ayton pelo Phoenix Suns. Q2. Um resumão das outras escolhas no Top ...

Author:

Meu nome é Vinícius Lima, 24 anos, paulista/baiano. Sempre fui maluco por esporte! Todos eles. Futebol, futsal, natação, vôlei, jiu-jitsu. Joguei futsal na adolescência, vôlei na faculdade. Mas no meio da faculdade descobri uma nova paixão: o basquete! E não larguei mais! Agora procuro todos os dias aprender um pouco mais sobre esse esporte apaixonante! E espero poder aprender ainda mais com vocês, compartilhando o pouco que sei.