Search
  • Informação de bandeja sobre a NBA
  • por Rodrigo Enge
Search Menu

Sacramento Kings

Sacramento Kings

Sacramento Kings

O Sacramento Kings integra a Divisão do Pacífico da Conferência Oeste da NBA. Fundada em 1923, é a equipe mais antiga dentre todas da NBA, vencedora de um título em 1951. A franquia tem uma história bem conturbada: pertenceu a três ligas profissionais, teve quatro cidades como sede e sete nomes diferentes. Tanta instabilidade acabou refletindo nas performances dentro da quadra. Há mais de 60 anos o Sacramento Kings não disputa uma final e está há mais de uma década sem ao menos se classificar para os playoffs.

Origens

Rochester Seagrams

A equipe que deu origem à franquia foi criada por Lester Harrison em 1923 na cidade de Rochester, no estado de Nova Iorque. Depois de concluir o ensino médio, onde era a estrela do time do colégio, Harrison manteve um comércio de verduras e frutas que era de seu pai e, para complementar a renda, aceitou organizar uma equipe de basquete semiprofissional patrocinada por uma unidade da destilaria de uísque Seagram que havia na cidade. O jovem acumulava as funções de gerente, técnico e jogador do Rochester Seagrams, além de ser responsável por tentar convencer talentos de outras equipes a se unir ao seu elenco.




Rochester Eber Seagrams

No começo da década de 1940 a equipe ganhou certo destaque ao participar de torneios anuais realizados em Chicago que reuniam equipes profissionais da National Basketball League. Em 1942 ganhou o patrocínio de outra empresa, a Eber Brothers, uma loja de alimentos e bebidas, passando a se chamar Rochester Eber Seagrams.

Rochester Pros

A equipe flertava mais do que nunca com o profissionalismo mas estava tendo problemas para ganhar repercussão na mídia local, pois os jornais em Rochester não aceitavam propagandas de bebidas alcoólicas ou matérias com qualquer referência a bebida. Considerando isso, em 1943 Harrison e seu irmão Jack, um advogado que gerenciava a burocracia da equipe, decidiram romper com os patrocinadores e adotar o nome Rochester Pros.

Rochester Royals

Em 1945 os irmãos Lester e Jack Harrison investiram todas as suas economias para comprar uma vaga na NBL, National Basketball League, por US$ 25 mil. A equipe abandonou definitivamente o amadorismo e passou a ser um franquia profissional de basquete. Um adolescente de 15 anos chamado Richard Paeth foi o vencedor de um concurso para batizar a nova franquia. Royals (reais, no sentido de majestosos) foi o nome escolhido. A ideia por trás dele, um tanto infantil, era que as atuações da equipe seriam responsáveis por trazer a coroa de campeã para Rochester. Assim o time amador criado em 1923 tornou-se o Rochester Royals, franquia de basquete filiada a NBL. Fazendo jus ao nome, logo na sua primeira temporada (1945-46) o Royals venceu o campeonato, não reconhecido pela NBA.

Junto com o Fort Wayne Pistons, atual Detroit Pistons, em 1948 a franquia deixou a NBL e passou a integrar a BAA (Basketball Association of America). No ano seguinte, parte das equipes que ainda eram filiadas à NBL se uniram às franquias da BAA, entre elas o Rochester Royals, para fundar a NBA. O Royals venceu 0 primeiro e único título da franquia na NBA em 1951.

Cincinnati Royals

A proposta da NBA era manter franquias nos principais mercados consumidores do país, onde o dinheiro de torcedores, anunciantes e parceiros comerciais estava. Rochester definitivamente não se enquadrava neste perfil, o que acabou levando os irmãos Harrison a transferir a franquia, que já enfrentava problemas financeiros, para uma cidade maior. Assim, em 1957 a equipe deixou o estado de Nova Iorque e se instalou em Cincinnati, uma das principais cidades de Ohio. Les e Jack não esperaram para ver se a mudança sanaria as dificuldades financeiras e um ano depois venderam a franquia por US$ 225 mil.

Apesar contar com Jack Twyman (primeiro jogador, ao lado de Wilt Chamberlain, a ter mais de 30 pontos de média em uma temporada) e com o fenômeno Oscar Robertson (único jogador da NBA a registrar um triple-double de média em uma temporada), o Cincinnati Royals nunca conseguiu sequer chegar a uma final.

Kansas City-Omaha Kings

Depois da partida de Robertson em 1970 para o Milwaukee Bucks, onde finalmente conquistou seu primeiro e único título ao lado do jovem Lew Alcindor, e de ficar cinco temporadas seguidas sem chegar aos playoffs, a franquia, que já havia sido vendida e revendida algumas vezes, sofreu nova mudança de sede. Começando sua viagem à Costa Oeste, em 1972 a equipe se instalou em Kansas City, mas para tentar atrair o mercado de Nebraska, também mandava partidas em Omaha. Como Kansas City já contava com uma equipe de baseball integrante da Major League Baseball (MBL) chamada Kansas City Royals, para evitar confusões a franquia adotou o nome Kansas City-Omaha Kings, mantendo a referência à nobreza e as cores azul, vermelha e branca no uniforme.

Kansas City Kings

A prática mostrou que mandar partidas em Nebraska representava viagens e despesas, mas não gerava receitas que justificassem a iniciativa. Assim, a aventura mal-sucedida em Omaha durou apenas três temporadas e em 1975 a franquia adotou o nome Kansas City Kings. Sob esta identidade a equipe chegou a sua primeira final de conferência, mas foi derrotada por 4 a 1 pelo Houston Rockets de Moses Malone, Calvin Murphy e Cia.

Sacramento Kings

Patinando dentro e fora das quadras, em 1985 os proprietários da franquia decidiram copiar com algumas décadas de atraso os passos do Minneapolis Lakers e do Philadelphia Warriors, transferindo-a para a California. Mas havia uma grande decisão a ser tomada: qual cidade escolher como sede? Los Angeles já sediava duas franquias e era carta fora do baralho. Rockets e Clippers haviam quebrado a cara ao tentar a sorte em San Diego, e fazer uma terceira tentativa seria, no mínimo, muito arriscado. O Golden State Warriors já dominava o mercado de Oakland e San Francisco desde os anos 1960. Depois de muitos estudos, a cidade escolhida como sede, muito mais por eliminação do que por méritos, foi Sacramento, que apesar de ser a capital da California, possui apenas a sexta população do estado. Mas havia um diferencial positivo: a cidade não contava com nenhuma equipe integrante das principais ligas profissionais norte-americanas, o que garantia o “monopólio” da torcida local. A mudança refletiu positivamente na vida financeira da franquia, que foi rebatizada como Sacramento Kings e adotou as cores roxa, cinza, preta e branca. Mas dentro das quadras a rotina de fracassos prosseguiu.

Em 2013 a franquia quase passou por outra mudança radical, quando seu antigo acionista majoritário solicitou à NBA autorização para levá-la a Seattle, onde pretendia ressuscitar o extinto Seattle SuperSonics. Mas o prefeito de Sacramento, Kevin Johnson (sim, o mesmo ex-armador ídolo do Phoenix Suns nos anos 1990), movimentou-se rapidamente e conseguiu reunir um grupo de investidores liderados pelo indiano Vivek Ranadivé, executivo do ramo da tecnologia, que adquiriu o Sacramento Kings e garantiu sua permanência na capital californiana.

voltar ao topo da página ↑

Localização do Sacramento Kings

Desde 1985 a franquia tem sede em Sacramento, capital da California, e desde a temporada 2016-17 manda suas partidas no Golden 1 Center (500 David J. Stern Walk • Sacramento, California • 95814). A arena está localizada no centro de Sacramento, tem capacidade para 17.500 torcedores, é a mais nova dentre todas da NBA e a que dispõe de mais recursos tecnológicos.

Sacramento, Califórnia, EUA

Sacramento, Califórnia, EUA

voltar ao topo da página ↑

Recordes do Sacramento Kings

Raio-X da franquia

Raio-X 
Temporadas na NBA69
Participações nos playoffs29
Títulos da NBA1
Títulos de Conferência0
1ª colocação na Conferência1
1ª colocação na Divisão5
Vitórias/derrotas na temporada regular2.496/2.944 (45,8%)

Maiores sequências na temporada regular

SequênciaPartidasTemporada
Vitórias181949-50/1950-51
Derrotas14 (2)1971-72 • 1959-60

Melhor e pior campanha na temporada regular

TemporadaCampanha%Pós-temporada
1948-49 • 1949-5045-15 • 51-1775,0Eliminado: 2º round • 1º round
2008-0917-6520,7--

Recordes totais

EstatísticaJogadorRecorde
PontosOscar Robertson22.009
RebotesSam Lacey9.353
AssistênciasOscar Robertson7.731
Roubos de bolaSam Lacey950
BloqueiosSam Lacey1.098
Lances livresOscar Robertson6.583
Arremessos de 3 ptsPeja Stojakovic1.070
PartidasSam Lacey888

Recordes – médias por partida

EstatísticaJogadorRecorde
PontosOscar Robertson29,3
RebotesJerry Lucas19,1
AssistênciasOscar Robertson10,3
Roubos de bolaMetta World Peace2,2
BloqueiosSam Lacey1,7
MinutosOscar Robertson44,0

Recordes em uma única partida

EstatísticaJogadorRecordeDataAdversário
PontosOscar Robertson • DeMarcus Cousins5618/12/1964 • 25/01/2016Los Angeles Lakers • Charlotte Hornets
RebotesChris Webber2605/01/2001Indiana Pacers
Assistências Rajon Rondo (2)2023/11/2015 • 25/01/2016Charlotte Hornets (2)
Roubos de bolaDanny Ainge • Chris Webber • Doug Christie822/4/89 • 11/3/01 • 8/12/02Cippers • Jazz • Spurs
BloqueiosDuane Causwell • Michael Stewart • Chris Webber918/4/91 • 6/1/98 • 7/2/99Nuggets • Clippers • Grizzlies
Lances livres Nate Archibald (2) • Kevin Martin235/2/72, 21/1/75 • 1/4/09Pistons, Blazers • Warriors
Arremessos de 3 ptsMike Bibby • Omri Casspi925/03/2007 • 28/12/2015Phoenix Suns • Golden State Warriors

voltar ao topo da página ↑

Ídolos e jogadores notáveis do Sacramento Kings

JogadorAltura (m)Posição#NascimentoFalecimentoDeAtéPontos*Rebotes*Assistências*Campeão**
Arnie Risen2,0651409/10/192404/08/20121948195513,711,21,91 vez
Bob Davies1,8511115/01/192022/04/19901948195514,32,94,91 vez
Jack Twyman1,982 e 310/27/3111/05/193430/12/20121955196619,26,62,3--
Maurice Stokes2,014 e 51217/06/193306/04/19701955195816,417,35,3--
Oscar Robertson1,9611424/11/1938--1960197029,38,510,3--
Jerry Lucas2,034 e 51630/03/1940--1963196919,619,13,0--
Nate Archibald1,85110/102/09/1948--1970197625,22,88,1--
Sam Lacey2,0854428/03/194814/03/20141970198111,110,54,0--
Eddie Johnson2,012 e 3801/05/1959--1981198718,75,12,8--
Reggie Theus2,011 e 22413/10/1957--1983198818,83,38,1--
Mitch Richmond1,962230/06/1965--1991199823,33,74,1--
Chris Webber2,064 e 5401/03/1973--1998200423,510,64,8--
Peja Stojakovic2,0631609/06/1977--1998200518,35,02,0--
Vlade Divac2,1652103/02/1968--1998200411,47,83,7--
Mike Bibby1,8511013/05/1978--2001200817,63,25,4--
Brad Miller2,114 e 55212/04/1976--2003200913,38,64,0--
Kevin Martin2,011 e 22301/02/1983--2004201017,13,71,9--
Tyreke Evans1,982 e 31319/09/1989--2009201317,54,84,8--
DeMarcus Cousins2,1151513/08/1990--2010201721,110,83,0--
* por partida, defendendo a franquia / ** defendendo a franquia

Estatísticas obtidas no site Basketball Reference.

voltar ao topo da página ↑

Rivalidades

Los Angeles Lakers

No início de sua jornada como franquia de basquete profissional, o atual Sacramento Kings integrou três ligas diferentes e foi eliminado pelo Lakers nos playoffs em todas elas. Aliás, o Rochester Royals teve a infelicidade de ser eliminado pelo Minneapolis Lakers em três anos consecutivos, em três ligas diferentes: em 1948 na NBL; em 1949 na BAA e em 1950 na NBA. Além disso, o Lakers é o rival mais vezes enfrentado pela franquia em séries de playoffs: foram 11 disputas, incluindo os anos de NBL não considerados pela NBA, das quais o Lakers saiu vitorioso em dez. Somente nos playoffs de 1951, ano que a franquia conquistou seu único título, o Lakers foi eliminado. Para acirrar ainda mais a rivalidade, as duas franquias integram a mesma divisão desde a temporada 1988-89, o que colaborou para que o Lakers fosse a franquia que o Sacramento Kings mais enfrentou também em temporadas regulares: 415 partidas, com apenas 147 vitórias do Kings (até a temporada 2014-15).

voltar ao topo da página ↑

error: Se quiser utilizar este conteúdo por favor entre em contato.