Search
  • Informação de bandeja sobre a NBA
  • por Rodrigo Enge
Search Menu

Entendendo a utilização do índice plus-minus na NBA

índice plus-minus

O índice plus-minus é útil, mas deve ser considerado com moderação

Muitos que acompanham a NBA estão habituados a conferir estatísticas das partidas, como pontos, rebotes, assistências etc. Mas ainda há quem desconheça o índice plus-minus , que há mais de duas décadas passou a fazer parte do box score (escalte) oficial da liga e a ser valorizado não somente pelos comentaristas especializados, mas principalmente por técnicos e executivos da NBA na hora de considerar a contratação de jogadores.

Indo direto ao assunto, o plus-minus (mais-menos) é uma estatística utilizada no basquete para mensurar o impacto que a presença de determinado jogador produz no placar. Pode-se dizer, de maneira bem simplificada, que o plus-minus de um jogador é o saldo de pontos de sua equipe, positivo ou negativo, enquanto ele esteve em quadra. Logo, para que o cálculo do plus/minus seja confiável, é preciso que exista um registro preciso do momento em que cada substituição ocorreu.

Apesar de sua importância e larga utilização nos dias de hoje, o plus-minus não foi criado no universo do basquete, mas “importado” da liga profissional de hóquei norte-americana, a NHL. A NBA incorporou o plus-minus às suas estatísticas oficias na temporada 1996-97, mas antes disso várias franquias já utilizavam o índice para avaliar o desempenho de seus jogadores.

Cálculo do plus-minus

Ok, mas na prática, como é calculado o plus-minus de um jogador? Muito simples: compara-se a diferença no placar no momento em que ele entra na partida com a diferença no placar constatada quando ele é substituído ou quando a partida termina, caso ele seja um dos atletas em quadra neste momento.

Nada melhor do que um exemplo para facilitar a compreensão. Vejamos o caso de Mo Williams no jogo 2 das Finais 2016 entre Cleveland Cavaliers e Golden State Warriors (5/6/2016). Ele permaneceu no banco de reservas do Cavs durante os três primeiros períodos da partida, entrando em quadra somente quando faltavam 8:11 para o final do jogo. Naquele momento, o placar era Cavs 64 x 91 Warriors, uma vantagem de 27 pontos a favor do mandante. Williams atuou até o encerramento da partida, cujo placar final foi Cavs 77 x 110 Warriors, 33 pontos de diferença. Logo, enquanto Mo Williams esteve em quadra a diferença a favor do time adversário subiu de 27 para 33 pontos, o que lhe confere um plus-minus de -6.

E se um jogador entra e sai da partida várias vezes? Basta somar os seus plus-minus em cada participação. Utilizando a mesma partida do exemplo anterior, façamos o cálculo do plus/minus obtido por Leandro Barbosa, jogador do Warriors:

1:28 do 1º período → entrou em quadra (CLE 19  x 19 GSW)

19 – 19 = 0

fim do 1º período → saiu de quadra (CLE 21  x 19 GSW)

19 – 21 = -2

Plus-minus (parcial 1): 0 -2 =  -2


8:42 do 3º período → entrou em quadra (CLE 47  x 57 GSW)

57 – 47 = 10

7:37 do 4º período → saiu de quadra (CLE 64  x 91 GSW)

91 – 64 = 27

Plus-minus (parcial 2): 27 – 10 = +17


3:06 do 4º período → entrou em quadra (CLE 73  x 100 GSW)

100 – 73 = 27

fim do 4º período → saiu de quadra (CLE 77 x 110)

 110 – 77 = 33

Plus-minus (parcial 3): 33 – 27 = +6


Plus-minus total (1+2+3): -2 +17 +6 = +21

Utilidade e distorções do plus-minus

As estatísticas tradicionais costumam ser o melhor retrato do desempenho ofensivo e defensivo dos atletas. Quando um jogador marca 25 pontos e faz 10 assistências, por exemplo, obviamente teve ótimo desempenho ofensivo. Já se outro atleta pega 15 rebotes, rouba 3 bolas e distribui 6 bloqueios, teve ótima performance na defesa. Não há muito mistério nestes casos.

Mas nem todas as ações de um jogador em quadra, especialmente as defensivas, podem ser representadas pelas estatísticas tradicionais. Um ótimo marcador pode inibir vários arremessos do principal cestinha do time adversário sem fazer um único bloqueio, um único roubo de bola ou mesmo sem pegar nenhum rebote.

Já no ataque é mais difícil que uma boa performance não se traduza em pontos ou assistências, mas não impossível. Um jogador que se movimente com inteligência, atraia a marcação para deixar companheiros de equipe livres, faça bons corta-luzes e segure ou passe a bola com mais ou menos frequência conforme a dinâmica da partida exija, pode impactar positivamente o desempenho de seu time sem que suas ações estejam documentadas nas estatísticas tradicionais.

Nestes casos, o plus-minus pode ajudar a enxergar através de números a contribuição (ou a omissão) de um jogador que não é notada nas estatísticas tradicionais.

Por outro lado também é preciso estar ciente de que o plus/minus deve ser considerado somente como um complemento das demais estatísticas, nunca como a principal referência na análise de desempenho. Isto porque um ótimo jogador nos dois lados da quadra pode ter um plus/minus negativo graças às más atuações de seus companheiros de equipe. E, da mesma maneira, um péssimo jogador pode se beneficiar pelo bom desempenho dos outros atletas do seu time que estiveram em quadra ao seu lado.

Líderes em plus-minus nas temporadas regulares

Jogadores do Golden State Warriors dominam os índices plus-minus da NBA há três temporadas consecutivas. Draymond Green é o único que terminou uma temporada (2015-16) com saldo positivo superior a 1.000, superando também a melhor média por partida registrada na temporada anterior por seu companheiro de equipe, Stephen Curry.

A temporada regular 1998-99 teve apenas 50 partidas e a 2011-12 somente 66 jogos, o que explica os índices totais sensivelmente mais baixos.

Nas médias por partida foram desconsiderados os índices de jogadores com menos de 30 partidas disputadas em uma temporada.

TemporadaJogadortotalJogadormédia
2015-16Draymond Green (GSW)1070Draymond Green (GSW)13,2
2014-15Stephen Curry (GSW)920Stephen Curry (GSW)11,5
2013-14Stephen Curry (GSW)573Andre Iguodala (GSW)9,0
2012-13Kevin Durant (OKC)721LeBron James (MIA)9,5
2011-12LeBron James (MIA)473LeBron James (MIA)7,6
2010-11LeBron James (MIA)619L. James (MIA), C. Bosh (MIA) e K. Garnett (BOS)7,8
2009-10LeBron James (CLE)648LeBron James (CLE)8,5
2008-09LeBron James (CLE)870LeBron James (CLE)10,7
2007-08Paul Pierce (BOS)785Kevin Garnett (BOS)10,4
2006-07Tim Duncan (SAS)748Tim Duncan (SAS)9,4
2005-06Tayshaun Prince (DET)646Tayshaun Prince (DET)7,9
2004-05Tim Duncan (SAS)692Tim Duncan (SAS)10,5
2003-04Kevin Garnett (MIN)614Tim Duncan (SAS)7,9
2002-03Dirk Nowitzki (DAL)778Dirk Nowitzki (DAL)9,7
2001-02Shaquille O'Neal (LAL)566Shaquille O'Neal (LAL)8,4
2000-01Tim Duncan (SAS)692Tim Duncan (SAS)8,4
1999-00Shaquille O'Neal (LAL)706Shaquille O'Neal (LAL)8,9
1998-99Tim Duncan (SAS)371T. Duncan (SAS) e A. Mourning (MIA)7,4
1997-98Shaquille O'Neal (LAL)649Shaquille O'Neal (LAL)10,8
1996-97Michael Jordan (CHI)818Dennis Rodman (CHI)10,4
Fonte: NBA.com/Stats