Search
  • Informação de bandeja sobre a NBA
  • por Rodrigo Enge
Search Menu

DeMarcus Cousins é trocado pelo Kings e se juntará a Davis no Pelicans

DeMarcus Cousins e Anthony Davis formarão um dos frontcourts mais poderosos da NBA (Crystal LoGiudice-USA TODAY Sports)

DeMarcus Cousins e Anthony Davis formarão um dos frontcourts mais poderosos da NBA (Crystal LoGiudice-USA TODAY Sports)

Quando Steve Kerr deixou DeMarcus Cousins no banco de  reservas durante praticamente todo All-Star Game já estava claro que algo importante estava acontecendo nos bastidores da NBA. O pivô, eleito um dos titulares da seleção da Conferência Oeste, atuou durante apenas dois minutos e não voltou mais para a partida. O motivo deste “chá de banco” num jogo festivo foi conhecido alguns minutos após o encerramento do evento, quando Adrian Wojnarowski soltou mais uma de suas já tradicionais bombas: Cousins havia sido trocado pelo Sacramento Kings, contrariando as promessas que a direção da franquia havia feito ao jogador e seus agentes.

Os detalhes do negócio

A direção do Sacramento Kings raramente consegue escapar das críticas e na maioria das vezes merece recebê-las. Negociar DeMarcus Cousins provavelmente não foi uma decisão equivocada, já que ele era o único ativo de valor de uma franquia que precisa desesperadamente reconstruir o seu elenco. O problema é que o pacote recebido deixa muito a desejar.

Pelicans cede

  • Buddy Hield (ala-armador, 23 anos, contrato até 2019-20)
  • Tyreke Evans (ala-armador, 27 anos, contrato até 2016-17)
  • Langston Galloway (armador, 25 anos, contrato até 2017-18)
  • Escolha de 1ª rodada no Draft 2017 (protegida até a 3ª escolha)
  • Escolha de 2ª rodada no Draft 2017

Kings cede

  • DeMarcus Cousins (pivô, 26 anos, contrato até 2017-18)
  • Omri Casspi (ala, 28 anos, contrato até 2016-17)

Basicamente, a franquia californiana está cedendo sua principal estrela por Buddy Hield e duas escolhas no Draft 2017. Hield pode até vir a se tornar o próximo James Harden, mas disputou apenas 57 partidas na NBA. É muito cedo para fazer qualquer prognóstico de como se desenvolverá.



Com DeMarcus Cousins no elenco a tendência é que o New Orleans Pelicans suba de produção e talvez até consiga se classificar para os playoffs. Portanto, as escolhas no draft que cederá ao Kings provavelmente não serão altas. E, de toda forma, a de 1ª rodada é protegida até a 3ª escolha.

Tyreke Evans pode assinar com qualquer franquia em menos de quatro meses e, segundo Wojnarowski, Langston Galloway entrou na negociação apenas para equilibrar a contabilidade das franquias, devendo ser dispensado pelo Kings logo em seguida.

Garoto problema

DeMarcus Cousins tem 26 anos de idade e está na melhor fase de sua carreira, que ainda promete ser longa. Está registrando médias de 27,8 pontos, 10,7 rebotes, 4,9 assistências, 1,4 roubo de bola e 1,3 bloqueio por partida em 2016-17. Seu aproveitamento é de 45,1% nos arremessos de quadra, 35,4% nos 3 pontos (já converteu 95 bolas de fora do perímetro nesta temporada) e 77% nos lances livres. Vendo estes números, é o jogador dos sonhos de qualquer franquia.

Sem dúvida, DeMarcus Cousins pode ser considerado um dos maiores craques que já atuaram no Sacramento Kings. Por que, então, Vlade Divac, general manager do Kings, abriu mão do seu principal jogador? Temperamental, o pivô tem um longo histórico de problemas de comportamento. Teve sérias desavenças com o antecessor do técnico Dave Joerger (George Karl), foi expulso de partidas em momentos decisivos várias vezes e suspenso recentemente por acumular 16 faltas técnicas em 2016-17.

Muitos que acompanham de perto o Kings atribuem o ambiente extremamente tumultuado no seu vestiário ao longo dos últimos anos à presença de DeMarcus Cousins. Tanto o proprietário da franquia, Vivek Ranadivé, quanto Joerger, entendem que o pivô é má influência para os demais jogadores, especialmente os mais jovens. Mantê-lo no elenco comprometeria a hierarquia e, consequentemente, todo o trabalho que o técnico pretende desenvolver para tentar colocar a franquia de volta nos trilhos.

DeMarcus Cousins queria ficar

Pelas regras da NBA, se continuasse no Kings o jogador poderia assinar uma extensão contratual no valor de US$ 208 milhões em julho de 2017. Mudando de empregador, Cousins ainda encherá o bolso de dinheiro, mas perderá cerca de US$ 28 milhões quando firmar seu próximo contrato.



Divac havia garantido aos agentes de DeMarcus Cousins que o jogador não seria negociado, mas, segundo relatos, passou a semana conversando com diversas franquias tentando encontrar um destino para o pivô. Um dos times interessados era o Los Angeles Lakers, que não aceitou ceder o calouro Brandon Ingram como parte da troca.

Cousins, Davis & Holiday. Big Three?

É claro que não dá para comparar a Paul Pierce, Kevin Garnett e Ray Allen no Boston Celtics ou LeBron James, Dwyane Wade e Chris Bosh no Miami Heat, mas o trio formado por Jrue Holiday, Anthony Davis e DeMarcus Cousins no New Orleans Pelicans pode dar muito trabalho na Conferência Oeste. Aliás, se a franquia conseguir terminar a temporada regular na 8ª posição, tem enormes chances de enfrentar o Golden State Warriors já na 1ª rodada dos playoffs.

A direção do Pelicans acredita que a chegada de Cousins pode ser muito importante para atrair free agents, tanto jogadores de rotação, quanto, eventualmente, mais algum nome de peso. Tomara que a ousadia do Pelicans seja recompensada. Seria ótimo não apenas para a franquia, obviamente, mas para a NBA como um todo.

error: Se quiser utilizar este conteúdo por favor entre em contato.