Search
  • Informação de bandeja sobre a NBA
  • por Rodrigo Enge
Search Menu

A evolução das dimensões do garrafão na NBA

Quando o garrafão media apenas 6 pés era chamado de "key" por sua forma se assemelhar a de uma chave

Quando o garrafão media apenas 6 pés era chamado de “key” por sua forma se assemelhar a de uma chave

Quem está acostumado a acompanhar a NBA volta e meia lê ou ouve nas narrações o termo key, que significa chave em inglês. Isso porque no âmbito do basquete norte-americano, a palavra é utilizada para designar o garrafão, também chamado de paint (tinta, área pintada) ou lane (pista, caminho). Mas o que o garrafão tem a ver com chave? Para responder a esta pergunta é preciso contar um pouco sobre a evolução das dimensões do garrafão, que guarda estreita relação com a carreira de dois dos pivôs mais dominantes que já atuaram na liga.

George Mikan fez a festa no garrafão de 6 pés

Originalmente, o garrafão tinha a largura de apenas 1,82 cm (6 pés), o que facilitava extremamente a vida dos pivôs. Jogadores altos e habilidosos, como George Mikan (2,08m), recebiam a bola fora do garrafão, mas já muito próximos à cesta e conseguiam pontuar sem dificuldades. Não por acaso, Mikan foi o cestinha da NBA em três temporadas consecutivas (1948-49, 1949-50 e 1950-51), com o Minneapolis Lakers sagrando-se campeão nas duas primeiras. Ele teve médias de 28,3, 27,4 e 28,4 pontos por partida nestas temporadas, respectivamente,

A forma estreita em comparação com o círculo no seu topo tornava o garrafão parecido com uma chave, o que levou os praticantes do basquete, técnicos, narradores e jornalistas a usarem o termo key como sinônimo. Neste vídeo há alguns lances de George Mikan antes da 1ª alteração de dimensões do garrafão.

12 pés não impediram Wilt Chamberlain de ser absurdamente dominante

Para garantir a manutenção da competitividade da liga e continuar despertando o interesse do público, a partir da temporada 1951-52 a NBA dobrou a largura do garrafão, que passou a medir 12 pés (3,66m). A mudança produziu o efeito pretendido, já que a média de pontos de George Mikan caiu de 28,4 em 1950-51 para 23,8 em 1951-52, embora o Minneapolis Lakers tenha se sagrado tricampeão em 1952, 1953 e 1954.

Mas, na temporada 1959-60, outro pivô ainda maior, mais ágil e dominante provou que a alteração causada por Mikan não seria suficiente. Wilt Chamberlain estreou na NBA pelo Philadelphia Warriors com média de 37,6 pontos e 27 rebotes por partida, chegando a registrar pontuação ainda mais incrível na temporada 1961-62: 50,4 por partida! Com mais de 2,30 metros de envergadura, Chamberlain não precisava de muita coisa para colocar a bola dentro da cesta, tanto é que foi o cestinha da NBA por 6 temporadas consecutivas.

Após a expansão do garrafão para 16 pés, a pontuação de Chamberlain caiu, mas nada muito significativo (de 36,9 em 1963-64 para 34,7 em 1964-65), o que apenas demonstra como o pivô era fora de série. Contudo, ele somente conseguiu se sagrar campeão da NBA em 1967, pelo Philadelphia 76ers, quando o garrafão já tinha as dimensões atuais.

E mesmo que hoje em dia o formato do garrafão não lembre em absolutamente nada uma chave, ele ainda continua (e continuará) sendo chamado de key.

 Com informações obtidas nos sites da NBA e do Basketball Reference.
error: Se quiser utilizar este conteúdo por favor entre em contato.