Search
  • Informação de bandeja sobre a NBA
  • por Rodrigo Enge
Search Menu

A dura rotina das road trips na NBA

Road Trips

Road trips fazem parte da rotina de todas franquias da NBA durante a temporada regular. Ao menos duas longas sequências de partidas disputadas fora de casa estão incluídas no calendário de cada uma das 30 equipes da liga, que enfrentam todos os adversários ao menos duas vezes durante a temporada. Num país de dimensões continentais como os EUA, estas road trips significam viagens de milhares de quilômetros, muitas horas dentro de um avião durante vários dias seguidos, longas esperas em aeroportos e ter que lidar com diferentes fuso-horários em um curto espaço de tempo.

Além dos inconvenientes dos deslocamentos, não é nada raro uma franquia que vinha bem no campeonato “perder o rumo” após uma road trip desastrosa. O cansaço decorrente das viagens pode refletir no desempenho dentro de quadra e acabar comprometendo não somente a boa sequência de partidas, mas influenciando negativamente o psicológico dos jogadores e a harmonia da equipe.

Por que road trips são necessárias?

Mas se são tão problemáticas, porque a NBA simplesmente não evita as road trips? Bom, elas são necessárias por questões de logística e economia. Não faria sentido, por exemplo, que o Miami Heat atravessasse o país para enfrentar o Golden State Warriors em Oakland e não aproveitasse sua presença na Costa Oeste para jogar contra outras franquias. O mesmo, obviamente, vale para todas as outras 29 equipes da NBA.

O calendário da temporada regular já é bastante longo, começa no final de outubro e segue até meados de abril. São 1.230 partidas acomodadas em aproximadamente 5 meses e meio. Sem as road trips o calendário precisaria ser ainda mais extenso e, além de representar maior custo para as franquias com despesas de transporte, haveria maior sobreposição de datas da NBA com a MLB (Major Baseball League), atrapalhando a audiência de ambas as ligas.

Nem tudo é sofrimento

Os times da NBA não usam voos comerciais de companhias aéreas. Além do espaço físico nestes voos ser insuficiente até para “pessoas normais”, a tietagem tornaria as road trips ainda mais cansativas e demoradas do que já são. As franquia fretam aviões particulares com espaço suficiente para todos os jogadores e a comissão técnica descansar. A alimentação oferecida durante os voos é monitorada pela equipe de nutricionistas de cada time, meticulosamente estudada quanto ao cardápio e ao horário das refeições para garantir o melhor desempenho dos jogadores.

O convívio forçado durante longos períodos pode ser um fator positivo na “química” entre os jogadores, o que algumas vezes traz bons reflexos para o time dentro de quadra. Um elenco composto por amigos, pessoas que têm interesses em comum fora do mundo do basquete e se tratam mutuamente como uma família, tem muito mais chances de alcançar resultados positivos. O maior exemplo disso no passado recente, provavelmente, é o time do San Antonio Spurs.

Confira como será uma das várias road trips na temporada 2015-16

Selecionei aleatoriamente uma das road trips que ocorrerão na temporada 2015-16 para coletar alguns dados que nos dão uma boa ideia do quão desgastante essas sequências de partidas podem ser. Entre os dias 23/2/2016 e 11/3/2016 o Brooklyn Nets realizará 9 partidas em 8 cidades, 8 estados e 2 países diferentes (EUA e Canadá). Jogadores e comissão técnica percorrerão aproximadamente 11.700 km em 17 dias durante esta road trip, que terá, em média, uma partida a cada dois dias.

error: Se quiser utilizar este conteúdo por favor entre em contato.